Saiba o que está por trás do genocídio de cristãos armênios, após reconhecimento dos EUA

0
100

Em 24 de abril, Joe Biden se tornou o primeiro presidente dos Estados Unidos a declarar que o massacre sistêmico de armênios, de 1915, constituiu um ato de genocídio. Embora o presidente Ronald Reagan tenha usado o termo de passagem em 1981, e os presidentes George H. Bush e Barack Obama tenham prometido reconhecer o genocídio armênio, não houve reconhecimento formal do termo pelos Estados Unidos. 

Os comentários de Biden representam uma vitória significativa para os armênios em todo o mundo. A negação do ocorrido é como um esquecimento do sofrimento coletivo desse povo. Até agora apenas 30 nações, incluindo Brasil, Canadá, Líbano, Chipre e Síria, reconheceram publicamente o genocídio.

Sobre o genocídio armênio

O termo “genocídio” foi utilizado pela primeira vez em 1944, quando o advogado polonês Ralph Lemkin citou explicitamente o extermínio dos armênios, através da aniquilação física dos cristãos que viviam no Império Otomano entre 1915 e 1916. 

Em 1915, havia aproximadamente 1,5 milhão de armênios vivendo no Império Otomano. No final de 1916, entre 660 mil e 1,2 milhão deles foram mortos, seja por massacres ou por maus-tratos sistêmicos, exposição e fome.

A Turquia contestou essa definição. Mesmo concordando que armênios foram mortos durante esse período, insiste que os assassinatos foram uma resposta legítima a uma tentativa concentrada da Armênia de subverter o estado otomano conspirando com os russos durante a Primeira Guerra Mundial. 

Por outro lado, a Alemanha reivindicou abertamente a responsabilidade por seus atos de genocídio. A opinião pública na Turquia está muito alinhada com a posição oficial do estado, refletindo a atitude enraizada na maioria da população. 

Reconhecimento internacional

Apesar do fato de que a ONU aceitou o ato de genocídio como um crime internacional em 1946, e codificou essa posição em 1948 com a Convenção do Genocídio, ainda não reconheceu explicitamente o Genocídio Armênio. 

Um relatório preliminar da ONU de 1973 referiu-se aos eventos de 1915 como o “primeiro caso de genocídio no século 20”, mas no relatório final publicado em 1978, essa lamentável distinção foi conferida ao Holocausto. 

O líder da comissão que publicou o relatório explicou mais tarde que certos casos foram omitidos porque “mergulhar no passado pode reabrir velhas feridas que agora estavam sarando”.

Em 1965, o Uruguai foi o primeiro país a fazer o reconhecimento do genocídio, antes mesmo da própria Armênia, que estava sob o domínio soviético na época. O Parlamento Europeu aceitou o genocídio em 1987, com a Rússia ecoando o sentimento em 1995, a Grécia em 1996, a França e a Bélgica em 1998 e a Itália em 2000. 

Desde então, várias outras nações europeias seguiram o exemplo, com 19 dos 30 países que atualmente reconhecem o genocídio armênio localizado dentro do continente. No entanto, a maioria dos países em todo o mundo, incluindo a Índia, ainda não declarou formalmente seu apoio à causa armênia.

De acordo com especialistas, as nações ocidentais não podiam mais ignorar as considerações éticas em torno do genocídio e a América em particular se sentia como se tivesse um “imperativo moral” para cumprir as promessas feitas ao povo armênio. 

De uma perspectiva pragmática, os países europeus há muito criticam as ações da Turquia, incluindo na Síria, onde alegaram que a Agência de Inteligência do Estado da Turquia entregou armas a partes do país sob controle rebelde islâmico em 2013 e no início de 2014. 

De acordo com o cientista político Svante E. Cornell no Middle East Quarterly, “o crescente perfil da Turquia tem sido controverso. À medida que Ancara desenvolveu laços cada vez mais calorosos com países desonestos como Irã, Síria e Sudão, ao mesmo tempo em que restringia suas relações outrora cordiais com Israel e usava uma retórica mais forte contra os Estados Unidos e a Europa, gerou debates acalorados sobre se se distanciou do Ocidente”, explicou. 

Nos últimos anos, o relacionamento da Turquia com os Estados Unidos tornou-se cada vez mais tenso. Em uma entrevista de 2019 concedida ao New York Times, o então ex-vice-presidente Biden descreveu o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, como um autocrata. 

Mais tarde, como presidente, ele aprovou um relatório do governo criticando a Turquia por seus abusos de direitos humanos. Em 2020, Trump sancionou a Turquia por sua aquisição multibilionária de sistemas de mísseis russos e em 2021 e Erdoğan acusou os EUA de apoiar militantes curdos após a morte de 13 reféns turcos no Iraque. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here