5 coisas que você precisa saber sobre o atentado no domingo de Páscoa no Sri Lanka

0
33

O mundo ficou chocado no último domingo quando bombas direcionadas a igrejas que celebravam a Páscoa levaram à perda de centenas de vidas inocentes na ilha do Sri Lanka.

Um número atualizado de mortos na manhã desta terça-feira mostra que mais de 320 vidas foram perdidas e mais de 500 outras ficaram feridas durante os atentados suicidas ocorridos em três igrejas (duas católicas, uma protestante) e três hotéis onde os cristãos celebravam a Páscoa em Colombo, Batticaloa e Kochchikade.

Houve um total de nove explosões e sete homens-bomba, de acordo com autoridades do Sri Lanka, seis das quais foram simultâneas, de acordo com informações do portal The Christian Post. O ministro da Defesa do Sri Lanka, Ruwan Wijewardene, disse hoje que os ataques foram “realizados em retaliação” pelo tiroteio do mês passado em duas mesquitas da Nova Zelândia. Cinquenta pessoas foram mortas naquele massacre.

1. Quem é o culpado?

O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelos ataques. Inicialmente, suspeitava-se que os atentados tivessem sido realizados por terroristas ligados à pouco conhecida célula islâmica das Nations Thawahid Jaman (NTJ).

O comissário de saúde e porta-voz do gabinete, Rajitha Senaratne, afirmou na segunda-feira que “descobriu que o NTJ estava envolvido nos ataques”.

O porta-voz da polícia, Ruwan Gunasekera, disse à imprensa que os suspeitos eram todos da comunidade muçulmana minoritária.

O especialista internacional em terrorismo, Raffaello Pantucci, do Instituto Real de Serviços de Defesa e Segurança, comentou o episódio: ”Esse ataque exigiu muito planejamento, o que é surpreendente para um grupo do qual a maioria nunca ouviu falar”, disse Pantucci ao Wall Street Journal. “Isso me faz suspeitar que existe uma ligação externa, e o Estado Islâmico ou a al-Qaeda são os suspeitos óbvios”.

2. Governo alertou sobre possíveis ataques contra cristãos semanas antes

Senaratne disse que uma agência de inteligência estrangeira transmitiu a informação que “tal incidente ocorrerá neste país” no início de abril. “Nesses relatórios detalhados, eles disseram que os alvos são as igrejas cristãs, e também os destinos turísticos, hotéis”, explicou Senaratne.

De acordo com a rede Al Jazeera, o Ministério da Defesa compartilhou informações com o chefe de polícia em 9 de abril, incluindo o nome do grupo terrorista. A CNN informou que um memorando compilado por agentes de segurança chegou a fornecer uma lista de suspeitos que supostamente planejam esses ataques.

Em 11 de abril, o vice-inspetor-geral da polícia, Priyalal Dissanayake, emitiu outro memorando sobre os possíveis ataques às igrejas e que foi distribuído amplamente aos serviços de segurança e aos ministérios do governo, segundo a CNN.

Senaratne também disse a repórteres que as agências de segurança estrangeiras continuaram emitindo um alerta antes dos ataques. Ele alegou que um relatório chegou cerca de 10 minutos antes do início dos bombardeios.

“Infelizmente, apesar de todas essas revelações das unidades de inteligência, não pudemos evitar esses ataques”, explicou Senaratne. “Somos responsáveis. Lamentamos muito e pedimos desculpas a todos”.

Wall Street Journal pontuou que especialistas internacionais consideram o grupo fundamentalista NTJ como mais focado em agitar as queixas muçulmanas locais, enquanto grupos terroristas mais estabelecidos, como o Estado Islâmico e a al-Qaeda, procuram grupos terroristas menores em outras partes do mundo.

3. O que impediu o governo de impedir o ataque?

Há muitas dúvidas sobre por que o ataque não pode ser evitado se o governo foi avisado com semanas de antecedência. O ministro das Telecomunicações, Harin Fernando, culpou as consequências da crise constitucional do ano passado por causar desunião entre autoridades que pode ter levado ao fracasso na prevenção dos ataques.

Em outubro passado, o presidente Maithripala Sirisena lançou uma tentativa de expulsar o primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe, demitir todo o seu gabinete, suspender o Parlamento e nomear o ex-líder militar Mahinda Rajapaksa como primeiro-ministro.

No entanto, o Parlamento aprovou uma moção para rejeitar a nomeação de Rajapska. A mais alta corte do país decidiu mais tarde que as ações do presidente eram inconstitucionais. Como resultado, Wickremesinghe foi restaurado para o cargo.

Segundo Fernando, o golpe durou 51 dias e houve “lapsos e certas lutas internas no governo”. “Sendo brutalmente honesto, eu não vi o governo trabalhando em conjunto”, afirmou Fernando à Al-Jazeera. “Essa será uma das causas? Estou dizendo, sem ser político, que sim, pode ser o que realmente aconteceu e esse é um dos resultados disso”.

Embora relatos do possível ataque tivessem circulado, Senaratne afirmou que Wickremesinghe e outros ministros do governo não foram informados do relatório, e exigiu a renúncia do chefe de polícia Jayasundera.

Wickremesinghe também supostamente pediu uma investigação sobre por que relatos de inteligência do ataque não foram levados a sério.

4. História do conflito civil no Sri Lanka

Até o ano passado, o Sri Lanka havia experimentado um nível relativamente mais alto de paz depois que ataques violentos foram bastante comuns durante a guerra civil do Sri Lanka, que durou de 1983 a 2009.

Enquanto a violência comum faz parte da vida do Sri Lanka desde a sua independência em 1948, a insegurança atingiu o seu auge depois que militantes do grupo separatista Tigres de Libertação do Tamil Eelam lançaram ataques de guerrilha e forçaram as forças do governo a estabelecer controle sobre toda a ilha. .

A população do Sri Lanka é de cerca de 70% de budistas, 12% de hindus, quase 10% de muçulmanos e pouco mais de 7% de cristãos. Mais recentemente, tem havido uma crescente tensão entre grupos muçulmanos e a maioria cingalesa.

De acordo com Mario Arulthas, diretor de advocacia do People for Equality and Relief em Lanka, com sede em Washington, um nível de nacionalismo budista estava enraizado na formação do Estado quando se tornou independente em 1948.

“Desde 2009, a atenção dos nacionalistas budistas cingaleses se voltou para as comunidades muçulmanas e cristãs minoritárias”, escreveu Arulthas em um editorial. “Enquanto as forças de segurança mantiveram um controle de ferro sobre a população tâmil, as turbas budistas cingalesas começaram a atacar populações muçulmanas e cristãs repetidamente. Em 2018, houve motins anti-muçulmanos em Kandy e dezenas de ataques contra cristãos. Um relatório da Aliança Nacional Cristã Evangélica do Sri Lanka afirma que elementos extremistas foram capazes de influenciar comunidades inteiras e liderar ataques violentos contra pessoas e locais de culto”, acrescentou.

Como resultado, Arulthas explicou que muçulmanos e cristãos responderam com muita restrição à violência nacionalista. Um estado de emergência foi emitido em março passado pela primeira vez desde a guerra civil, já que a violência entre as comunidades aumentou na cidade de Kandy e durou dias.

Apesar das crescentes tensões, Arulthas notou que o ataque do Domingo de Páscoa não pareceu ser uma resposta à violência budista passada, porque os perpetradores não visavam instituições cingalesas, mas sim instituições cristãs.

5. Não foi o primeiro ataque contra os cristãos durante a semana santa

Os ataques a igrejas ocorridos no domingo de Páscoa ou durante a época da Páscoa tornaram-se uma ocorrência comum em todo o mundo. Em 2012, um homem-bomba matou dezenas de pessoas em uma igreja em Kaduna, na Nigéria, no domingo de Páscoa.

Em 2015, o grupo terrorista islâmico Al-Shabaab matou quase 150 pessoas, a maioria cristãos, durante um ataque à Universidade de Garissa, no Quênia.

Em 2016, o grupo islâmico Jamaat-ul-Ahrar reivindicou a responsabilidade por um atentado suicida contra cristãos que adoravam na Páscoa no Parque Gulshan-e-Iqbal em Lahore, Paquistão. O ataque matou mais de 70 e feriu mais de 300. O grupo admitiu que visou cristãos e prometeu realizar mais ataques.

Em abril de 2017, dois atentados mortais contra igrejas cristãs coptas no Egito foram feitos durante os cultos do Domingo de Ramos, resultando em 47 mortes e 126 feridos. O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade por esses ataques.

“Os cristãos agora despertam cada Páscoa e perguntam ‘ONDE haverá morte este ano?’ Não, ‘se’”, escreveu Johnnie Moore, comissário da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA, no Twitter. “Não há ato mais maligno do que matar alguém num culto”, acrescentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here