Papa Francisco e imã islâmico assinam “documento símbolo de fraternidade inter-religiosa” e assusta católicos

0
49

Um pacto histórico inter-religioso foi assinado em Abu Dhabi, no Oriente Médio na segunda-feira (04) entre o papa Francisco e o xeque Ahmed al-Tayeb, considerado o imã mais importante do islamismo sunita. O documento afirma que as religiões devem estar “de mãos dadas em um símbolo de fraternidade inter-religiosa”.

A cerimônia de assinatura do pacto entre católicos e muçulmanos contou com a presença de líderes religiosos mundiais de diversas religiões de significativa relevância, segundo uma fonte de notícias britânica que acompanhou o evento.

“O papa e o grande imã de al-Azhar assinaram uma declaração histórica de fraternidade, pedindo a paz entre nações, religiões e raças, em frente a uma audiência global de líderes religiosos do cristianismo, islamismo, judaísmo e outras religiões”, relatou.

Líder mundial dos católicos, o papa Francisco e o xeque Ahmed al-Tayeb, chefe do mais prestigiado cargo de aprendizado do islamismo sunita, chegaram à cerimônia em Abu Dhabi de mãos dadas como símbolo de fraternidade inter-religiosa.

De acordo com o site oficial do Vaticano, houve grande esforço para os preparativos na elaboração do documento, que incentiva os fiéis de todas as religiões a “apertar as mãos, abraçar um ao outro, beijar uns aos outros e até rezar” um com o outro:

“O documento, assinado pelo Papa Francisco e pelo Grande Imã de al-Azhar, Ahmed el-Tayeb, foi preparado ‘com muita reflexão e oração’, disse o papa. O único grande perigo neste momento, continuou ele, é ‘destruição, guerra, ódio entre nós’”, informa o portal do Vaticano.

Nas palavras do pontífice, “se nós crentes não formos capazes de apertar as mãos, nos abraçarmos, nos beijarmos e até orarmos, nossa fé será derrotada”. O Papa explicou que o documento “nasce da fé em Deus, que é o Pai de todos e o Pai da paz; condena toda a destruição, todo o terrorismo, desde o primeiro terrorismo da história, o de Caim”.

Deus e Alá

Repetidas vezes, a palavra “Deus” é usada para identificar simultaneamente Alá e o Deus do cristianismo.

“Nós, que acreditamos em Deus – que para o Islã é Alá – e no encontro final com Ele e Seu julgamento, com base em nossa responsabilidade religiosa e moral, e através deste Documento, chamamos a nós mesmos, sobre os líderes do mundo, bem como os arquitetos da política internacional e a economia mundial para trabalhar tenazmente para disseminar a cultura da tolerância e de viver juntos em paz; intervir na primeira oportunidade para parar o derramamento de sangue inocente e pôr fim às guerras, conflitos, decadência ambiental e ao declínio moral e cultural que o mundo está experimentando atualmente.

Além disso, o documento preparado no Vaticano e assinado pelos dois líderes religiosos também declara que “a diversidade de religiões” que vemos no mundo foi “desejada por Deus”:

“A liberdade é um direito de toda pessoa: cada indivíduo desfruta da liberdade de crença, pensamento, expressão e ação. O pluralismo e a diversidade de religiões, cor, sexo, raça e linguagem são determinados por Deus em Sua sabedoria, através da qual Ele criou os seres humanos. Esta sabedoria divina é a fonte da qual deriva o direito à liberdade de crença e a liberdade de ser diferente. Portanto, o fato de as pessoas serem obrigadas a aderir a uma determinada religião ou cultura deve ser rejeitado, assim como a imposição de um modo de vida cultural que os outros não aceitam”.

Em sua análise no Charisma News, Michael Snyder diz que “o documento está dizendo que é a vontade de Deus que existam centenas de religiões diferentes no mundo e que elas sejam todas aceitáveis ​​à Sua vista”.

“Sabemos que a elite quer uma religião mundial, mas ver os clérigos mais importantes, tanto do catolicismo quanto do islamismo, fazer um esforço público tão dramático para isso é absolutamente impressionante”, afirma Michael Snyder.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here