Piloto salvou 140 passageiros na Indonésia após sentir alerta: “Ouvi a voz de Deus”

0
71

O piloto da Batik Airways, uma companhia aérea da Indonésia, acelerou a partida de seu voo com 140 passageiros e escapou com segurança do terremoto e do tsunami que devastaram a cidade de Palu. Segundo ele, o alerta que sentiu em seu coração veio através da voz de Deus.

Um terremoto de magnitude 7,5 seguido de tsunami, atingiram a ilha de Sulawesi em 28 de setembro. Quase 2 mil pessoas morreram e mais de 5 mil habitantes continuam desaparecidos, disseram as autoridades nesta segunda-feira (8).

“O dia todo na sexta-feira eu estava me sentindo inquieto e não sabia por quê”, contou o piloto Ricosetta Mafella, 44 anos, em um culto de domingo na igreja Duta Injil, em Jakarta, em 30 de setembro.

Para acalmar seus sentimentos, Mafella começou a cantar em alta voz músicas de adoração na cabine do avião. “Normalmente eu só cantarolo, mas naquele dia eu quis louvar ao Senhor o melhor que pude”, disse ele.

“Eu acho que você deveria fazer um CD de músicas de adoração”, seu co-piloto muçulmano disse a ele, brincando.

Quando eles estavam prestes a pousar no aeroporto de Palu, o vento estava excepcionalmente forte e Mafella “ouviu uma voz em seu coração”, que o orientou a circular novamente antes de aterrissar.

Depois que os passageiros desembarcaram na cidade, ele sentiu que deveria ser rápido no próximo vôo. Ele instruiu sua tripulação a fazer uma breve pausa de 20 minutos antes que o avião decolasse para Jacarta.

“Eu nem saí da cabine e pedi permissão à torre de controle para partir três minutos antes do previsto”, contou Mafella.

Ele recebeu aprovação do controlador aéreo Anthonius Gunawan Agung, 21 anos, e se preparou para a partida. No entanto, Mafella foi tomado por um sentimento de urgência tão intenso que rompeu com os procedimentos de voo padrão e acelerou pela pista. “Eu não sei por que, mas minha mão continuou empurrando a alavanca, fazendo com que o avião acelerasse”, relata.

Tragédia

O avião decolou às 18:02. Menos de um minuto depois, o tremor de magnitude 7,5 atingiu Palu.

Quando a torre de controle foi atingida, funcionários ao redor de Agung fugiram, mas continuou no posto de trabalho para ter certeza de que o avião estava no ar. Suas últimas palavras foram “Batik 6321 claro para decolar”.


Anthonius Gunawan Agung permaneceu na torre aérea para garantir a segurança do voo. (Foto: Reprodução)

Quando percebeu que sua saída estava bloqueada, Agung pulou da torre em ruínas. Ele morreu enquanto aguardava tratamento.

Mafella e os 147 passageiros e tripulantes do voo não tinham ideia do que acabara de acontecer no solo. Mas da cabine, o piloto viu ondas enormes no litoral. “Eu tentei ligar para o controlador de tráfego aéreo algumas vezes para dizer que vi algo, mas não houve resposta”, disse ele à BBC. Mais tarde, ele descobriu por quê.

“Neste momento difícil, durante os segundos de decisão, ele esperou por mim até que eu estivesse a salvo antes de ele pular. É por isso que eu o chamo de meu anjo da guarda”, afirmou Mafella, que o considera um herói nacional.

“Se eu tivesse decolado três minutos depois, não teria conseguido salvar os 140 passageiros, porque o asfalto na pista de pouso estava subindo e descendo como uma cortina ao vento”, ele testemunhou.

“É importante ouvirmos a voz de Deus”, observou o piloto. “E, aconteça o que acontecer, devemos estar calmos, não em pânico, para que possamos ouvir claramente a voz de Deus vinda a nós pelo Espírito Santo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here