Marco Feliciano reage aos insultos de Daniela Mercury e Johnny Hooker: “Lixo cultural”

0
146

O pastor Marco Feliciano (PODE-SP) comentou as polêmicas mais recentes envolvendo artistas e ativistas LGBT nas manifestações do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), e ponderou sobre a perseguição religiosa aos cristãos no Brasil, que acontece de maneira ideológica e com chancela da grande mídia.

Para Feliciano, é hora de reagir para não ser censurado: “Quando eu denuncio perseguição e preconceito religioso no Brasil, contra nós, os cristãos evangélicos, eu sou tachado de intolerante, fundamentalista, simplesmente por defender com unhas e dentes os nossos princípios, como a vida e a família tradicional”.

“Assistir em rede nacional, patrocinado com dinheiro público a cantora Daniela Mercury […] invocando demônios, e dizendo que ninguém vive sem demônios… Imagine se fosse um pastor falando algo parecido. Seria uma manchete no Jornal Nacional“, pontuou, referindo-se à polêmica apresentação da cantora baiana no FIG, na última semana.

Sobre o cantor Johnny Hooker, que é o novo símbolo da “diversidade” na grande mídia e referiu-se a Jesus como “travesti” e “bicha”, Feliciano não poupou adjetivos: “Um pseudo artista se refere a Jesus com o maior desrespeito, e palavras de baixo calão. E o pior: tentaram levar esse lixo cultural com verbas públicas, mas as pessoas de bem estão alertas e suspenderam o apoio oficial”, comentou.

Respeito

“Olha essa outra história: em uma entrevista levada ao ar pela Rede Globo, a atriz Juliana Paes expõe suas convicções religiosas afirmando que foi criada num centro de umbanda, que cresceu ouvindo os atabaques, e que recebeu recados de uma entidade ou um caboclo sobre o nascimento do seu filho. Eu respeito a fé da atriz, e eu não estou aqui criticando. Mas, eu estava aqui pensando: e se fosse eu falando sobre a minha fé evangélica, dizendo que eu expulsei espíritos das pessoas? Imagine o barulho que daria! Ou seja, existe perseguição contra evangélicos no Brasil, sim”, argumentou.

O pastor, que deverá se candidatar à reeleição, pediu que a ala progressista da sociedade deixe de tratar os evangélicos como cidadãos de segunda classe: “A fé cristã tem tirado milhões da miséria moral, das drogas, da prostituição, da depressão. Testemunhos existem em abundância, mas não interessam a quem prega o ‘quanto pior, melhor’. Mando esse recado aqui para a Rede Globo e cantora Daniela Mercury: parem de perseguir a fé cristã. Vivam a sua, e deixem a nossa em paz”.

Ao final, Feliciano desafiou: “Porque não fazem essa brincadeira com Maomé? Porque não fazem uma peça teatral mostrando Maomé como homossexual? A senhora ia ver o barulho que ia dar. Mas, como nós cristãos somos pacatos… somos pacatos, mas não somos bobos, conhecemos a lei, queremos respeito”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here