Trump cancela política de banheiros transgêneros em escolas, nos EUA

571506807-donald-trump

O governo Trump revogou na última quarta-feira (22), as diretrizes federais emitidas pelo ex-presidente Barack Obama que, permitia estudantes de escolas públicas usassem banheiros e outras instalações correspondentes à sua “identidade de gênero”.

Um documento apresentado ao Supremo Tribunal Federal pela Procuradoria Geral disse que a diretriz do Governo Obama, emitida em maio passado (2016), não “passou por nenhum processo público formal” ou explicou como era “consistente com a linguagem expressa do Título IX” – a Lei federal já existente para comabater a discriminação sexual na Educação e nas atividades.

“Esta é uma questão melhor resolvida no nível estadual e local”, disse a secretária de Educação, Betsy DeVos. “Escolas, comunidades e famílias podem encontrar – e em muitos casos já descobriram – soluções para proteger todos os alunos”.

“O Congresso, as legislaturas estaduais e os governos locais estão em posição de adotar políticas apropriadas ou leis que abordem esta questão”, afirmou o procurador-geral Jeff Sessions em um comunicado. “O Departamento de Justiça continua empenhado na interpretação e aplicação adequadas do Título IX e em suas proteções para todos os estudantes, inclusive os ‘LGBTQ’, combatendo a discriminação, intimidação e assédio”.

Em uma carta às escolas dos EUA, os departamentos de Justiça e Educação disseram que a orientação anterior “deu origem a litígios significativos sobre os banheiros e vestiários” dos centros educacionais.

As agências retiraram a orientação para “para aprofundar e considerar mais completamente as questões legais envolvidas”.

“Todas as escolas devem assegurar que todos os alunos, incluindo os estudantes LGBT, possam aprender e prosperar em um ambiente seguro”, disse.

Não ficou claro qual seria o impacto imediato da mudança – revogação da diretriz – nas escolas, já que um juiz federal no Texas suspendeu temporariamente a orientação de Obama, logo após sua emissão – depois de 13 estados processarem o governo federal.

Os defensores dos direitos dos transgêneros dizem que a política era “útil e necessária para proteger os alunos da discriminação”. Já os oponentes da diretriz do governo Obama argumentaram que a norma era um abuso de poder federal e violava a segurança e a privacidade de outros estudantes.

A Casa Branca disse que “o retorno do poder aos estados abre o caminho para um processo aberto e inclusivo a ser realizado no nível local com a contribuição dos pais, estudantes, professores e administradores”.
Facilitação para abusos sexuais
A suspensão da diretriz anteriormente instaurada pelo governo Obama aconteceu dias depois da organização cristã “Family Research Council” (‘Conselho de Pesquisa para a Família’) alertar que a política de banheiros transgêneros estava facilitando a ocorrência de crimes envolvendo abuso sexual (estupros, assédios, aliciamentos, etc), não apenas nos banheiros e vestiários coletivos das escolas, mas também em estabelecimentos comerciais que adotam a medida.

Segundo a diretriz, para que o cidadão use o banheiro coletivo masculino ou feminino de acordo com sua ‘identidade de gênero’, basta que ele “se declare homem ou mulher”, sem comprovar com qualquer tipo de documento de identificação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *